terça-feira, 29 de junho de 2010

Xarabanda abre tradição a novos caminhos - Nova orquestra de cordofones da associação xarabanda aposta no pop e no rock


Uma Orquestra de Instrumentos Tradicionais Madeirenses, totalmente nova no conceito, está a nascer da Escola da Associação Xarabanda. O repertório é moderno e pretende constituir uma motivação para os jovens, facilitar a criação de uma identidade com os cordofones. Cold Play, Ala dos Namorados, Scott Joplin, Linking Park e outros grupos e artistas são exemplos. O núcleo abriu no ano lectivo de 2007/2008, envolvendo actualmente 23 elementos dos 6 aos 23 anos.
Com os ensaios semanais, os alunos aprendem a tocar os instrumentos, mas não só. A educação musical, tanto a parte teórica como a prática, e ainda uma componente de história, também integram o programa, a cargo do professor e músico Roberto Moniz, que é o mentor do projecto alternativo.
O objectivo desta orquestra é, por um lado, manter viva a tradição dos instrumentos tradicionais de corda, e por outro lado, explorar novas vertentes, o mundo de possibilidades que se abrem em termos de repertório. Esta orquestra, ao contrário dos grupos de música tradicional madeirense, não procura manter as fronteiras da música e as raízes ligadas ao passado, de quem se querem demarcar. Os jovens olham hoje para estes instrumentos como 'uma coisa de bailinhos, música de vilões', lamentou, acrescentando que é propósito da Orquestra Xarabanda mudar precisamente essa imagem negativa.
A música ligeira, o pop, o rock são os caminhos a seguir, juntando a aposta também na música erudita, adiantou. 'Nos instrumentos tradicionais tocamos e podemos ensinar qualquer tipo de música', disse o docente. Um dos desafios é amplificar (electronicamente) os instrumentos para poderem ser usados com as novas tecnologias e poderem ser integrados no leque de instrumentos usados pelas bandas de pop e rock.
Questionado se de alguma forma não será comprometer as raízes populares, Roberto Moniz esclareceu: 'Na tradição musical madeirense existem várias coisas, como a dança, o canto, os trajes. A prática dos instrumentos tradicionais é uma das vertentes e uma coisa não invalida a outra. Poderia trabalhar música tradicional com instrumentos de rock'.
Quer que as pessoas passem a olhar para a viola de arame, a braguinha, o rajão como olham para uma viola ou guitarra eléctrica, sem preconceitos. A imagem criou-se, explicou, porque não há outros grupos fora dos que exploram a música tradicional que apostem nestes instrumentos e façam música moderna.
'Acho que está a resultar', analisou. A orquestra juntou-se para um primeiro espectáculo, um 'concerto-piloto' para apurar a receptividade e segundo o responsável, as críticas foram positivas.
Além dos alunos da Associação Xarabanda, participaram no concerto elementos da Associação 'Flores de Maio', com quem o professor também tem partilhado o projecto musical. Roberto Moniz trabalha nas duas associações com o mesmo propósito e com o mesmo fim. Para já, o grupo, orientado pelo professor e músico, dedica-se em particular à música instrumental, sendo objectivo para o futuro juntar o canto às actuações.
A falta de um repertório adequado é outra das dificuldades, ultrapassadas com novas composições, como as que vêm fazendo, e com arranjos que permitem adaptar as partituras à nova realidade.
A orquestra, não sendo esse o seu principal objectivo, vai funcionar também como uma base de formação para o grupo de música tradicional Xarabanda e de outros que apostem nos cordofones. 'Podem aprender aqui e depois seguir para outro', esclareceu.
O ensino está aberto a qualquer pessoa, só que a associação privilegia os as crianças em idade escolar, dando-lhes formação a partir do zero.

Estágio em preparação

Entre os projectos para os próximos tempos está a criação de um estágio, um encontro onde tocadores de várias instituições partilhem conhecimentos e experiências musicais, nomeadamente os alunos e professores do Gabinete Coordenador de Educação Artística e do novo curso de Formação Básica em Rajão e Viola Madeirense lançado pelo Conservatório - Escola das Artes.
A data não está fechada. Roberto Moniz gostava de preparar o evento para o mês de Julho. A juntar a este projecto, a Xarabanda quer ainda realizar um concurso regional de interpretação de instrumentos tradicionais. Aqui ficam alguns atalhos cedidos pela associação para o portal Youtube, onde pode ver partes do primeiro concerto desta jovem orquestra:
Noite' - http://www.youtube.com/watch?v=ya6uxURTX0M

'Loucos de Lisboa' - http://www.youtube.com/watch?v=zl6jp-YUHSo&feature=related

'Anzol' - http://www.youtube.com/watch?v=KVGRsbesQA4&feature=related

'Leave out all the rest' - http://www.youtube.com/watch?v=B-joDl9pw4&feature=related

'The Entertainer' - http://www.youtube.com/watch?v=6RLMCwcQsv4&feature=related

'Dunas' - http://www.youtube.com/watch?v=hdpEfRZq7l0&feature=related

1X0 - http://www.youtube.com/watch?v=X73p1ohrIT4&feature=related.

Texto: Paula Henriques, in
Diário de Notícias
Terça, 19 de Maio de 2009
video

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Xarabanda integra festival nos Açores - O Colectivo madeirense actua a 9 de Julho no 'MaiaFolk' na Ilha de Santa Maria


As tradições musicais da Madeira, interpretadas pelos Xarabanda, marcam presença no Festival MaiaFolk, uma iniciativa da Associação Amigos da Maia, que se irá realizar em Julho, na ilha de Santa Maria, nos Açores.
A actuação, do grupo madeirense, está confirmada para o dia 9 de Julho, como fez saber Rui Camacho, responsável pelo colectivo. 'O convite partiu da Associação Amigos da Maia, na Ilha de Santa Maria, porque viram-nos no You Tube e como gostaram do que viram entraram em contacto connosco'.
'Iremos actuar no dia 9 de Julho [sexta-feira], e o nosso concerto terá a duração de 1h30, sensivelmente', acrescentou.
Questionado sobre o repertório que será apresentado no 'MaiaFolk', o músico foi objectivo: 'Iremos interpretar, na nossa estreia na Ilha de Santa Maria, temas dos anteriores trabalhos'. E adiantou: 'Mas, também, vamos apresentar novas composições que estamos a preparar para o próximo disco [o quinto da nossa discografia], com edição prevista para 2011'.
Nesse ano, os Xarabanda, que inicialmente se chamaram Algozes, celebram três décadas de actividade na recolha, preservação e divulgação do património musical madeirense.
O programa ainda se encontra em preparação. Mas, Rui Camacho já destacou uma das linhas mestras das celebrações. 'Faremos um balanço da nossa actividade, no que respeita à intervenção cultural desenvolvida desde 1981 até à actualidade'. E concluiu. 'Mas, também iremos abordar os desafios que se nos apresentam no futuro, porque há ainda muito para fazer '.

Texto: José Salvador, in Diário de Notícias da Madeira, de Quinta, 18 de Março de 2010

Acção de sensibilização...


Esta foi uma actuação do Clube de Cordofones da Escola Básica do 2.º e 3.º Ciclos de Bartolomeu Perestrelo, no Museu Etnográfico da Ribeira Brava, para os alunos da Escola local.

Xarabanda no CD de músico canário - Dois temas da tradição musical Madeirense fazem parte do trabalho de Miguel Afonso


Miguel Afonso, para além de ser um dos mais importantes acordeonistas de Canárias, é também o responsável pelo Festival Folk de Canárias - Encuentro Atlântico de Las Culturas, um evento previsto para Outubro, em Moya, no norte da Ilha de Gran Canária, onde os sons da tradição madeirense, representados pelos Xarabanda, marcam presença pela primeira vez. Mas antes, em Julho, Miguel Afonso irá lançar o seu novo disco, onde participa o grupo.
'O trabalho inclui o 'Jogo de Roda' e o 'Brinco', um despique, mas que em Canárias é conhecido por coplas [ uma forma poética que serve de letra para canções populares], que os Xarabanda gravaram no Estúdio de Paulo Ferraz e onde irá colaborar Miguel Afonso, um grande defensor das raízes musicais nas Ilhas Atlânticas', fez saber Rui Camacho.
Questionado sobre como aconteceu este convite o músico foi objectivo. 'O Miguel Afonso teve conhecimento dos Xarabanda, através do My Space. E como encontrou características comuns nas tradições musicais de Canárias e da Madeira, convidou-nos para colaborar com essas duas músicas no seu próximo disco que será lançado no próximo mês de Julho, na Ilha de Gran Canária'.
Mas, a colaboração entre o colectivo madeirense e o músico canário não se ficará por aí. 'O Miguel Afonso, é um acordeonista contemporâneo e também está interessado em aproximar a Cultura Musical Tradicional entre os Arquipélagos da Madeira e Canárias'. E concretizou. 'O músico, que é o organizador do Festival Folk de Canárias, convidou o Xarabanda para participar no programa que decorre em Outubro, o que para nós representa uma estreia perante o público de Canárias'.
Miguel Afonso, por seu turno, foi aos 8 anos que descobriu o acordeão, devido à influência da mãe. E ao longo dos anos foi aprofundando os seus conhecimentos com o objectivo de dignificar o instrumento, que pelo facto de animar as festas populares era considerado como menor. Estudou com vários professores, mas nunca se 'esqueceu' dos velhos tocadores e das tradições musicais do povo canário.